Uberlândia-MG,  - 15/12/2017
A Crepaldi® Advogados enxerga seu problema por outro ângulo: o da solução.
Home  |  Áreas de Atuação  |  Histórico  |  Profissionais  |  Clientes  |  Livros  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Downloads  |  Oração  |  Contato
 



CONTABILIDADE RURAL: Uma Abordagem Decisorial
Silvio Aparecido Crepaldi


7ª edição (2012)
Páginas: 432 páginas
Formato: 17x24
ISBN:9788522471140

 

Sinopse:

A atividade rural possui características distintas das demais atividades produtivas. Uma das diferenças significativas entre a indústria e a atividade rural como um todo é o tempo de planejamento. Enquanto na indústria é possível seguir rigidamente as variações na demanda e executar mudanças em curtíssimo prazo, na atividade rural as condições biológicas e climáticas, por exemplo, limitam a adoção de medidas no mesmo período.
Portanto, o sucesso do sucesso do planejamento do empresário vai depender do seu entrosamento com a contabilidade, o que possibilitará a análise e a comparação dos relatórios contábeis para a tomada de decisão.

Este livro mostra que a Contabilidade rural tem a responsabilidade de fornecer informações que possibilitam o planejamento e controle de futuras operações. Evidencia que para cada tipo de exploração de atividade rural é preciso um sistema adequado de custos. Traz os cuidados que devem ser tomados nos registros de custos para não distorcer os dados que irão servir de subsídios à tomada de decisões e análise da eficiência das atividades.

Inicialmente, o texto discorre sobre o conceito de agricultura, para depois serem analisados temas que abrangem a tutela da administração. Em seguida são estudados: contabilidade gerencial, importância da contabilidade rural, operacionalização contábil, gastos pré-operacionais, depreciação, exaustão e amortização, cálculo do custo de produção, planejamento contábil, contabilidade da pecuária e o método de custo, fluxo de caixa, custeio baseado em atividades e apuração e tributação dos resultados.

Livro-texto para disciplina Contabilidade Rural/Contabilidade Agropecuária/Contabilidade Agrícola do curso de graduação em Ciências Contábeis, Engenharia Agronômica e Administração Rural. Manual de consulta para administradores e engenheiros agrônomos, bem como para empresários rurais, e principalmente para os contadores envolvidos no processo de contabilização das atividades agrícolas e pecuárias.

 

SUMÁRIO

Prefácio à 3ª edição

Prefácio à 2ª edição

Prefácio à 1ª edição

Agradecimentos

1   AGRICULTURA
1.1   Agricultura como negócio: fatores que afetam a tomada de decisões
1.2   Administração rural e seu campo de ação
1.3   Empresa Rural
1.4   Empresário
1.4.1   Sociedade
1.4.1.1   Sociedade empresária
1.4.1.2   Sociedade simples
1.4.2   Sociedade limitada
1.5   Características peculiares do setor agrícola
1.6   Parcerias ainda insuficientes
1.6.1   Arrendamento rural
1.6.1.1   Participantes do contrato
1.6.2   Normas do arrendamento rural
1.6.2.1   Obrigações do arrendador
1.6.2.2   Obrigações do arrendatário
1.6.3   Arrendamento para plantio - modelo de contrato
1.6.4   Arrendamento de pasto - modelo de contrato
1.6.5   Casos de despejo
1.6.6   Casos de extinção do contrato de arrendamento
1.6.7   Parceria rural
1.6.7.1   Normas da parceria rural
1.6.7.2   Obrigações do parceiro-outorgante
1.6.7.3   Obrigações do parceiro-outorgado
1.6.7.4   Parceria agrícola - modelo de contrato
1.6.7.4.1    Parceria de café - modelo de contrato
1.6.7.5    Parceria pecuária - modelo de contrato
1.6.7.6   Casos de extinção do contrato de parceria
1.6.7.7   Distrato de contrato de parceria
Questões
Múltipla escolha

2   ADMINISTRAÇÃO RURAL MODERNA
2.1   Conceito de administração moderna na agropecuária
2.1.1   Organização
2.1.2   Estrutura organizacional
2.1.3   Práticas administrativas
2.2   Administração financeira e contabilidade
2.3   Sistemas de informação: um meio seguro de obter qualidade
2.4   Contabilidade rural: necessidade urgente
2.5 O atual cenário da contabilidade rural
2.6 Informações geradas pela contabilidade
2.7 A Contabilidade para o desenvolvimento do agronegócio

Questões
Múltipla escolha

3   CONTROLE GERENCIAL
3.1   Introdução
3.2   Questionário para avaliação gerencial
3.3   Sistemas de informações gerenciais
3.4   Gerência empresarial de uma propriedade rural
3.4.1   Controle gerencial de resultado
3.5   Controle técnico-gerencial

Questões

4   IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE RURAL
4.1   Sistemas de Contabilidade
4.2   Finalidades da Contabilidade Rural
4.3   Conceito
4.4   Objeto da Contabilidade Rural
4.4.1   Objeto
4.5   Conceito de balanço patrimonial
4.6   Importância do balanço patrimonial
4.7   Finalidades do balanço patrimonial

Questões
Múltipla escolha

5   OPERACIONALIZAÇÃO CONTÁBIL NA EMPRESA RURAL
5.1   Introdução
5.2   Contabilidade da atividade rural
5.3   Classificação das atividades agrícolas
5.4   Custos, despesas, gastos e investimentos
5.4.1   Terminologia contábil
5.5   Custos diretos e indiretos
5.5.1   Custos diretos
5.5.2   Custos indiretos
5.6   Custos fixos e variáveis
5.6.1   Custos fixos
5.6.2    Custos variáveis
5.7   Outros conceitos
5.7.1 Receitas operacionais decorrentes da exploração de atividade rural
5.8   Métodos e processos de escrituração rural
5.8.1   Métodos de escrituração
5.9   Etapas desenvolvidas nas atividades agrícolas
5.10   Contabilização
5.10.1   Cultura temporária
5.10.2   Cultura permanente
Questões
Múltipla escolha

6   GASTOS PRÉ-OPERACIONAIS: TRATAMENTO CONTÁBIL NA EXPLORAÇÃO AGROPECUÁRIA
6.1   Introdução
6.2   Conceitos
6.3   Gastos pré-operacionais
6.4   Apresentação nas demonstrações contábeis
6.5   Ciclo operacional do empreendimento agrícola
6.6   Planejamento e implantação de projetos agrícolas
6.6.1   Orçamento para implantação de 1 ha de café
6.7   Legislação aplicada
6.8   Casos práticos
Questões
Múltipla escolha

7   DEPRECIAÇÃO, EXAUSTÃO E AMORTIZAÇÃO NA AGROPECUÁRIA
7.1   Terminologia e conceitos
7.2   Conceitos de depreciação, exaustão e amortização na área da Contabilidade Rural
7.3   Os métodos
7.3.1   Método linear
7.3.2   Método das somas dos dígitos dos anos
7.3.3   Método das taxas decrescentes
7.3.4   Método das taxas variáveis
7.4   Taxas
7.4.1   Base de cálculo
7.5 Depreciação acelerada
7.5.1   Depreciação acelerada incentivada
7.5.2 Como deverá proceder a pessoa jurídica com relação à escrituração do valor dos bens do ativo imobilizado considerados como integralmente depreciados no período de apuração da aquisição?
7.6   Casos práticos
7.6.1   Depreciação
7.6.1.1   Atividade agrícola
7.6.1.2   Atividade zootécnica
7.6.1.3   Implementos rurais
7.6.2   Exaustão
7.6.3   Amortização
Questões
Múltipla escolha
Problemas

8   CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO NA EMPRESA RURAL
8.1   Introdução
8.2   Conceitos e classificação de custos
8.3   Custo total, custo total médio e lucro
8.4   Exemplo de cálculo de custo de preparação do solo
8.5   Avaliação: custo x benefícios
8.5.1   Planilha de cálculo de custeio estimado para a cultura de milho em área de 1 há
8.5.2   Análise dos custos de produção na cultura da batata
8.6   Ponto de equilíbrio
8.6.1   Fórmula matemática
8.7   Modelos de custo de produção - resumo dos cálculos
8.7.1   Custo de produção do leite C - Minas Gerais
8.7.2   Leite C - Nacional - Regiões Central, Sul e Sudeste
Questões
Múltipla escolha
Exercícios

9   PLANEJAMENTO CONTÁBIL NA EMPRESA RURAL
9.1   Introdução
9.2   Aspectos relevantes para a elaboração do plano de contas
9.2.1   Elenco de contas
9.2.1.1   Importância do plano de contas para o usuário
9.2.2   Codificação das contas
9.3   Acumulação de custos
9.3.1   Avaliação de estoques
9.3.1.1   Inventário periódico
9.3.1.2   Inventário permanente
9.4   Sistema e métodos de custeio
Questões
Múltipla escolha

10   CONTABILIDADE DA PECUÁRIA
10.1   Introdução
10.1.1   Reprodução - opções
10.1.2   Forragens
10.1.3   Feno: alimento na produção leiteira
10.2   Espécies de atividades
10.2.1   Cria
10.2.2   Recria
10.2.3   Engorda
10.3   Classificação contábil do gado
10.3.1   Ativo não circulante imobilizado
10.3.2   Ativo circulante
10.3.3   Avaliação do rebanho no balanço patrimonial
10.3.4   Gado utilizado simultaneamente para renda de custeio
10.4   Exercício social e ciclo operacional
10.5   Alterações no resultado da agropecuária
10.5.1   Nas empresas em geral
10.6   Método de custo e método a valor de mercado
10.6.1   Método de custo (custeio por absorção)
10.6.2   Método a valor de mercado
Questões
Múltipla escolha

11   CONTABILIZAÇÃO DA PECUÁRIA PELO MÉTODO DE CUSTO
11.1   Introdução
11.2   Princípios e conceitos contábeis aplicados Contabilidade Rural
11.3   Método de custo
11.4   Técnicas
11.4.1   Custo distribuído ao rebanho (com inclusão de bezerros a nascer)
11.4.2   Custo distribuído ao rebanho (excluindo os recém-nascidos)
11.4.3   Custo unitário das unidades animais
11.5   Plano de contas na contabilidade de custos agropecuários
11.6   Críticas e pontos positivos do método de custeio
11.7   Proposição de custeio variável na agropecuária
11.8   Sistema de controle da atividade agropecuária
11.8.1   Características do sistema de controle e contabilização
11.8.2   Mapas e formulários de controle da atividade pecuária
11.8.2.1   Movimento da pecuária (anexo 1)
11.8.2.2   Mapa de rateio do custo da pecuária (anexo 2)
11.8.2.3   Acompanhamento dos custos da pecuária (anexo 3)
11.8.2.4   Relatório gerencial acumulado da atividade pecuária (anexo 4)
11.8.2.5   Demonstrativo do resultado e fluxo de caixa (resultado) da pecuária (em UFIR) (anexo 5)
Questões
Múltipla escolha

12   CRÍTICAS AO CUSTO HISTÓRICO UTILIZADO NA PECUÁRIA
12.1   Introdução
12.2   Custo histórico e reavaliações
12.3   Inovações da Lei n° 6.404/76
12.4   Proposição da contabilidade na pecuária pelo método de custo corrigido
12.4.1   Necessidade de custos
12.4.2   Custos extracontábeis com correção monetária dos estoques
12.5   Esquema de contabilização pelo método do custo corrigido
Questões
Múltipla escolha

13   CUSTOS E RESULTADOS NA AVICULTURA
13.1   Introdução
13.2   Cálculo do custo do frango
13.3   Metodologia para cálculo do custo

14   FLUXO RURAL DE CAIXA E ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA NA ATIVIDADE RURAL
14.1   Movimento do caixa
14.2   Controle individual
14.3   Função do administrador financeiro
14.4   Conceito
14.5   Objetivos
14.6   Capacidade de caixa da Empresa Rural
14.7   Como fazer previsões
14.7.1   Utilização
14.8   Equilíbrio financeiro
14.9   Desequilíbrio financeiro
14.10   Medidas de saneamento financeiro
14.11   Fluxo de caixa de projetos agropecuários
14.12   Contabilidade e fluxo de caixa
14.13   Ciclo econômico e ciclo financeiro
14.14   Capital de giro
14.15   Análise do capital de giro
14.16   Necessidade de capital de giro
14.17   Fatores redutores e geradores do capital de giro
14.18   Análise econômico-financeira
14.18.1   Indicadores
14.18.2   Análise
14.18.3   Avaliação
14.18.4   Sintomas
14.18.5   Causas
Questões
Exercícios

15   CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES
15.1   Introdução
15.2   Origem
15.3   Conceitos
15.4   Objetivos
15.5   Definição do Activity Based Costing
15.6   Objetos de custeio
15.7   Alocação dos recursos para as atividades e das atividades para os objetivos de custos
15.8   Direcionadores de atividades
15.9   Etapas para aplicação do ABC
15.10   A gestão dos custos no ambiente agrícola
15.11   Fatores que afetam o cronograma de execução
15.11.1   Forma atual de acompanhamento dos custos e suas deficiências
15.11.2   Solução proposta baseada na evolução da atividade
15.12   A visão do custeio ABC para a fazenda
15.13    Conclusões

16 Apuração e tributação dos resultados
16.1 Introdução
16.2 Atividades consideradas rurais
16.3 Atividades não consideradas rurais
16.4 Tributação da pessoa jurídica
16.5 Tributação da pessoa física
16.6 Receita da atividade rural
16.6.1 Conceito
16.6.2 Valores integrantes
16.6.3 Vendas a prazo
16.6.4 Adiantamentos de recursos recebidos por conta de venda para entrega futura
16.6.5 Venda com preço final sujeito a variação
16.6.6 Venda da terra nua
16.6.7 Comprovação
16.7 Despesas de custeio
16.8 Investimentos
16.8.1 Valores considerados como investimento
16.8.2 Dedução no mês do pagamento
16.8.3 Comprovação
16.9 Resultado da atividade rural
16.9.1 Compensação de prejuízos
16.9.2 Resultado presumido
16.10 Forma de apuração do resultado
16.11 Escrituração do livro caixa
16.11.1 Insuficiência de caixa
16.12 Atividade rural exercida no Brasil por residente no exterior
16.13 Atividade rural exercida no exterior por residente no Brasil
16.14 Cálculo do Imposto de Renda Pessoa Jurídica - lucro real
16.15 Cálculo do Imposto de Renda Pessoa Jurídica - lucro presumido
16.16 Cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - resultado ajustado
16.17 Cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - resultado presumido
16.18 Cálculo da contribuição para financiamento da seguridade social - cumulativa
16.19 Cálculo da contribuição para financiamento da seguridade social - não-cumulativo
16.20 Cálculo da contribuição para o programa de integração social - não-cumulativo
16.21 Cálculo da contribuição para o programa de integração social - cumulativo

Gabarito das questões, múltipla escolha e exercícios

Bibliografia



"Devemos procurar ter uma participação ativa na construção de um futuro melhor, mais digno, mais transparente e mais justo."
Rua Antônio de Souza Franqueiro, 247 - Bairro Jardim Finotti – CEP: 38408-114 - Uberlândia-MG - Tel.: (34) 3214-2880
With that, Hublot continues with its assault of infiltrating all types of replica watches sale sports. While this might not win the approval of many replica watches sale WIS, it will more than likely continue to make Hublot successful and help sell more watches. Can you fault the good folks from Nyon, for rolex replica uk capitalizing on this winning formula? Even if it's designed for a small segment of the population... I think no. On a very personal note, I never want to be the person hating on others' success. In fact, I strive and replica watches uk try to applaud it and learn from it instead. Another thing worth mentioning is that while it is replica watches uk unclear just how many hardcore watch-lovers Hublot will keep on attracting to its corner, replica watches sale it is easier to guess when it comes to the affluent people who feel an attachment to one of the many sports, partner companies, or replica watches uk ambassadors in Hublot's stable.